Uma criança é diagnosticada

diagnóstico infantil
banalização do diagnóstico infantil

Quais são os efeitos do diagnóstico banalizado e as drogas que são ministradas às crianças, muitas vezes, tão pequenas? O que essa urgência em dar um nome àquilo que não há, está dizendo da subjetividade de nossa época?

A notícia de que um bebê está a caminho significa uma série de mudanças na vida de um casal e no meio onde estão inseridos. Há uma preocupação com a chegada desse filho, e o planejamento quanto ao lugar que este filho vai ocupar, na casa e na vida. A gestação também é um período de mudanças biopsicossociais e é muito singular a maneira como cada um vai vivenciar essas experiências. O próprio parto é um momento de grandes receios e que tem a força de mobilizar grandes níveis de angústia. O parto pode ser até, em alguns casos, curto em tempo cronológico, mas é longo em vivências e expectativas, pois é a partir do parto que mãe e filho vão poder finalmente se encontrar frente a frente. É nesse momento do nascimento do filho que a mãe se depara com o estranho e sofre com a morte do filho idealizado. 

Temos, hoje em dia, uma série de nomes para tentar dar conta do que é isso que acontece na infância e que é tão enigmático para o adulto. Os diagnósticos de TEA, TOD, TDAH entre outros crescem em proporções exageradas e preocupantes e a cada ano mais famílias preocupam-se com a possibilidade de seus filhos terem algum tipo dos ditos “transtornos mentais”.

Existem alguns profissionais capazes de fazer um diagnóstico responsável e criterioso, o que enlaça com a possibilidade dos cuidadores de questionar o saber médico, muitas vezes parecendo autoritário e absoluto. Médicos não detém a verdade e a razão e o vínculo estabelecido deve ser de acolhimento, respeitando as dúvidas e anseios dos sujeitos envolvidos, mas a realidade do que acontece, muitas vezes, é a instauração de uma confusão de línguas que legitima o imaginário sufocante de que essa criança, por ter um diagnóstico, está fadada ao fracasso ou que não vai ser capaz de fazer nada na vida.

O diagnóstico é importante quando apoiado na subjetividade e não apenas nas observações estereotípicas de um indivíduo. Se o médico não olha para a sua cara, te dá uma receita com trocentos medicamentos, fuja! Por quê, mesmo quando corretamente diagnosticado, é importante que a singularidade do sujeito seja preservada. Quando um pai ou uma mãe chega até mim dizendo que seu filho é autista, eu pergunto: “e o que mais?” Não pode ser que a existência do seu filho seja reduzida a isso, não é?

Temos hoje uma demanda absurda pela produtividade o tempo inteiro, e todos esses imperativos recaem sobre a família de uma maneira que pais e mães, exaustos, acreditam que tem que dar conta de tudo, e que o filho também tem que dar conta de tudo e saber as coisas por si mesmo. Nesse cenário, a subjetividade, aquilo que é único de cada um de nós, está enfraquecida, e o que ganha destaque é um excesso sem limites que causa desconforto e angústia em todos. Não por um acaso, aparecem aí toda a sorte de especialistas para dizer o que fazer com essa angústia, como se houvesse uma compreensão que mães e pais não são capazes de assumir sozinhos a humanização de seus filhos. Assoberbados por uma série de exigências e de regras a seguir para serem bons pais, a parentalidade torna-se uma tarefa demasiado exaustiva e idealizada, como se não pudessem falhar, como se pais e mães fossem máquinas e não seres humanos.

Abordar a parentalidade a partir da psicanálise visa colocar em primeiro plano a importância de escutar, de um lado, como a angústia do fenômeno parental emerge em cada sujeito e, de outro, as respostas que a cultura de nossa época tem produzido diante desse fenômeno.

A aposta de um psicanalista é que a singularidade do sujeito humano não é diagnosticável. O sujeito é desejante e atravessado pela cultura de sua época, e a contribuição da psicanálise em tempos de ideais e imperativos autoritários permanece sendo o resgate da subjetividade, de valorizar aquilo que é único em cada um de nós. Cada um tem o seu modo de gozar, de amar, e de desejar.

Informações do autor:

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Mais publicações:

Introdução à Psicanálise: De Freud a Lacan

Começo aqui uma jornada de várias aulas de introdução a psicanálise Lacaniana, focada nos trabalhos e ideias do importantíssimo psicanalista Francês Jacques Lacan. Nessa primeira aula, vamos explorar os conceitos fundamentais da Psicanálise. Se você tem interesse em psicologia ou está curioso sobre as teorias de Jacques Lacan, assista o vídeo até o final. Vamos abordar temas como o inconsciente estruturado como uma linguagem, os três registros (Real, Simbólico e Imaginário), o Estádio do Espelho, o Nome-do-Pai, o desejo e o objeto a.

Continuar leitura...
diagnóstico infantil

Uma criança é diagnosticada

Temos, hoje em dia, uma série de nomes para tentar dar conta do que é isso que acontece na infância e que é tão enigmático para o adulto. Os diagnósticos de TEA, TOD, TDAH entre outros crescem em proporções exageradas e preocupantes e a cada ano mais famílias preocupam-se com a possibilidade de seus filhos terem algum tipo dos ditos “transtornos mentais”.

Continuar leitura...