O eu e os outros: Narcisismo primário e secundário | Estádio espelho.

Moraes, B. O eu e os outros: Narcisismo primário e secundário. Espaço Penseé, 2020.

Quem poderia ser mais belo que o “eu” se não o outro que em mim reside? Mas afinal, que outro é esse que também sou eu?

Narcisismo primário e secundário

Freud se utiliza do mito do narciso para pensar a estrutura do eu, em que momento acontece o surgimento desse “eu”. Em um primeiro momento, aquela coisa que ainda não é um sujeito, o bebê, vivencia o narcisismo primário, uma espécie de autoerotismo, posteriormente em um segundo momento, vivendo um narcisismo secundário com o surgimento do outro.

Estádio espelho.

Para Lacan, no estádio do espelho ocorre uma alteração da imagem do eu. Assim, este momento de imagem refletida no espelho, marca a separação do Innenwelt com o Umwelt, o mundo interno e o mundo externo. O mundo interno será agora apropriado através de identificações com o mundo externo, que lhe serão oferecidas por aquele que ocupa o lugar de Outro, isto é, por aquele no qual encontro a minha representação.

O eu e os outros

Aqui, desvela-se a necessidade de se ser mediatizado pelo desejo do Outro, afinal é o Outro quem diz “você é este no espelho”, marcando o destino do sujeito. O sujeito se reconhece no espelho através do Outro, instaurando-se o eu, desde sempre narcísico, e será a imagem refletida, o eu ideal, base das identificações que acompanharão o sujeito daqui por diante.

Fixa-se uma imagem mental do eu que acarreta o seu fado alienado, como coloca Lacan (FERREIRA-LEMOS, PP, 2011): É essa imagem que se fixa, eu ideal, desde o ponto em que o sujeito se detém como ideal do eu. O eu, a partir daí, é função de domínio, jogo de imponência, rivalidade constituída.

Na captura que sofre de sua natureza imaginária, ele mascara sua duplicidade, qual seja, que a consciência com que ele garante a si mesmo uma existência incontestável (…) não lhe é de modo algum imanente, mas transcendente, uma vez que se apoia no traço unário do ideal do eu (…). Donde o próprio ego transcendental se vê rivalizado, implicado como está no desconhecimento em que se inauguram as identificações do eu (Lacan, 1960/1998, p.823).


Então é possível pensar que o “Eu” também é o outro?

Referências:

FERREIRA-LEMOS, PP. Sujeito na psicanálise: o ato de resposta à ordem social. In: SPINK, MJP., FIGUEIREDO, P., and BRASILINO, J., orgs. Psicologia social e pessoalidade [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais; ABRAPSO, 2011, pp. 89-108. ISBN: 978-85-7982- 057-1. Available from SciELO Books .

Lacan, J. (1998a). Duas notas sobre a criança: opção Lacaniana, 21 (pp. 5-6). São Paulo: Eólia. (Original publicado em 1969).

#psicanalise#Lacan#Freud # Psicologia #Lacan#Narcisismo

Psicólogo Bruno Moraes

@bruno-moraes – Psicólogo
@Psicanalisenacultura

Informações do autor:

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Mais publicações:

curso de introdução a psicanalise lacaniana

Introdução à Psicanálise: De Freud a Lacan

Começo aqui uma jornada de várias aulas de introdução a psicanálise Lacaniana, focada nos trabalhos e ideias do importantíssimo psicanalista Francês Jacques Lacan. Nessa primeira aula, vamos explorar os conceitos fundamentais da Psicanálise. Se você tem interesse em psicologia ou está curioso sobre as teorias de Jacques Lacan, assista o vídeo até o final. Vamos abordar temas como o inconsciente estruturado como uma linguagem, os três registros (Real, Simbólico e Imaginário), o Estádio do Espelho, o Nome-do-Pai, o desejo e o objeto a.

Continuar leitura...
história, política e Brasil - PODCAST

História, Política e Brasil – K-Fi Podcast

O historiador e professor Gabriel Bom é formado pela USP, especialista em metodologia do Ensino de Filosofia e Sociologia e mestrando em História Social pela FFLCH-USP. Nesse podcast Gabriel fala um pouco sobre o desenvolvimento histórico da política no Brasil. Pega o seu café e vem conferir!

Continuar leitura...