Quanto tempo o tempo tem?

Quanto tempo o tempo tem, surrealismo, psicanálise
Miranda, D. Quanto tempo o tempo tem. Espaço Penseé. ed S/N. 2020. p.03

Afinal, quanto tempo o tempo tem?

O tempo como nós ordenamos é um instrumento indispensável de orientação, uma construção imaginária útil para nos situarmos, tal sua presença tão consistente no cotidiano. Estudado na filosofia, nas ciências humanas e naturais, o tempo carrega essa natureza marcante e enigmática.

Na situação analítica, o tempo não corresponde ao tempo neurótico, e sim a lógica do inconsciente e a ética da psicanálise. Essa burocratização do tempo, tentativa de controla-lo, nos atropela em ritmos de funcionamento que organizam nossa vida e nossa morte, abrange uma lógica do poder.

Para nós, sujeitos de linguagem, compactuados com a lei nesse movimento de civilização, são apresentados modos de coordenar e de se submeter ao tempo. O relógio, por exemplo, é uma invenção que transmite essa ideia de que o tempo corre em um fluxo contínuo. Até o tempo do universo, independente do viver humano, só adquire valor se articulado à experiência de linguagem. Mesmo com todas as tentativas de controlar e ordenar o tempo — que vestem uma roupagem, muitas vezes, excessiva — há algo de que não é possível escapar: o tempo passa. O futuro incerto nos reserva apenas a certeza da morte.

O tempo do sujeito: Consciente e inconsciente.

O inconsciente revela uma lógica afastada do campo da consciência: presente, passado e futuro se alinham, não se separam. Essa atemporalidade se relaciona com o sujeito do desejo, representado por um significante para outro significante, que em alguma outra cena se repete e insiste. É a partir da pontuação do texto do analisante que o inconsciente apela sua abertura. A análise é poética… Acontece em cortes, pontuações, grifos… “O analista, como o inconsciente, não se preocupa com o tempo, mas corta a sessão em função da fala do analisante” (QUINET, 2019). O trabalho analítico questiona tais produções imaginárias, produções essas que o neurótico sofre pelo excesso de sentido. Não há Outro do analista e o tempo não se fixa como garantia ao analisante. A direção da análise é guiada pelas manifestações do inconsciente: quando o analisante entra em uma sessão sem saber quanto tempo esta se desenrolará, estará ele sob o impacto da pressa de concluir, que vinculada ao enigma, faz surgir o desejo como questão.

Referências: QUINET, A. As 4+1 condições da análise. Zahar: Rio de Janeiro, 1991.

Informações do autor:

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Mais publicações:

Introdução à Psicanálise: De Freud a Lacan

Começo aqui uma jornada de várias aulas de introdução a psicanálise Lacaniana, focada nos trabalhos e ideias do importantíssimo psicanalista Francês Jacques Lacan. Nessa primeira aula, vamos explorar os conceitos fundamentais da Psicanálise. Se você tem interesse em psicologia ou está curioso sobre as teorias de Jacques Lacan, assista o vídeo até o final. Vamos abordar temas como o inconsciente estruturado como uma linguagem, os três registros (Real, Simbólico e Imaginário), o Estádio do Espelho, o Nome-do-Pai, o desejo e o objeto a.

Continuar leitura...
curso de introdução a psicanalise lacaniana

Introdução à Psicanálise: De Freud a Lacan

Começo aqui uma jornada de várias aulas de introdução a psicanálise Lacaniana, focada nos trabalhos e ideias do importantíssimo psicanalista Francês Jacques Lacan. Nessa primeira aula, vamos explorar os conceitos fundamentais da Psicanálise. Se você tem interesse em psicologia ou está curioso sobre as teorias de Jacques Lacan, assista o vídeo até o final. Vamos abordar temas como o inconsciente estruturado como uma linguagem, os três registros (Real, Simbólico e Imaginário), o Estádio do Espelho, o Nome-do-Pai, o desejo e o objeto a.

Continuar leitura...