Freud ‑ O Infamiliar [das Unheimliche] – Prefixo de negação.

Moraes, B. Freud ‑ O Infamiliar [das Unheimliche] – Prefixo de negação. Espaço Penseé (2020)

Das Unheimliche, termo quase intraduzível para a língua portuguesa, e que se tornou o título de uma das obras mais consagradas de Sigmund Freud. Em sua última edição lançada pela editora autentica, o infamiliar pareceu ser o titulo que melhor se vinculava a uma possível tradução das ideias presentes no ensaio de Freud conhecido como Das Unheimliche.

Em alemão o “un” é um prefixo de negação assim como “in” em português, heimliche poderia ser pensado em uma tradução possível como sendo o lar, algo familiar, dessa forma, un-heimliche ou in-familiar.

É interessante pensar as formas de negação presente na utilização desse prefixo, geralmente quando dizemos: “Você me parece familiar ou isso é familiar para mim”, o que estamos dizendo na verdade é, “Eu não me lembro de você, eu não me lembro disso” logo o familiar é infamiliar ou estranho, ou seja, aquilo que deveria estar oculto vem à tona.

Mas afinal, quem é esse estranho que habita em mim?


Em breve, mais conteúdos sobre o texto Das Unheimliche de Sigmundo Freud. Comenta aqui um exemplo de um prefixo de negação – intocável – Indiferente – Inimaginável.


Fonte:

O infamiliar [Das Unheimliche] – Edição comemorativa bilíngue (1919-2019): Seguido de O homem da areia de E. T. A. Hoffmann –

Notas da editora:

O infamiliar [Das Unheimliche] – Edição comemorativa bilíngue (1919-2019)

Seguido de O Homem da Areia de E. T. A. Hoffmann

Nenhum texto de Freud foi traduzido de maneiras tão diferentes. Em português, “Das Unheimliche” já foi traduzido como “O estranho” e, mais recentemente, como “O inquietante”; já em outras línguas, como equivalentes a “A inquietante estranheza”, “O inquietante familiar”, “O sinistro”, “O ominoso”, “O perturbador” etc. Essa simples enumeração nos mostra o desafio de traduzir o intraduzível. Na presente edição, o leitor tem em mãos uma tradução não apenas original, mas também ousada e rigorosa: O infamiliar. O “infamiliar” não é resultado da fidelidade à língua de partida, mas, ao contrário, a uma marca visível da impossibilidade da tradução perfeita. Desse modo, não deixa de ser também uma “intradução”, que, em vez de esconder o problema da inevitável equivocidade da tradução, o faz vir à tona.

Páginas: 288 • Formato: 14 x 21 cm • Acabamento: Brochura • ISBN: 9788551304860 • Código: 12337 • Autêntica Editora • Edição: 1 • Coleções: Obras incompletas de Sigmund Freud • Mês/Ano de publicação: 04/2019

Esta edição, que comemora os 100 anos da primeira publicação de “Das Unheimliche” com uma edição bilíngue e anotada do texto de Freud, traz também uma tradução inédita do conto “O Homem da Areia”, de E. T. A. Hoffmann, obra ficcional que mostrou a Freud a especificidade de um mecanismo psíquico bastante frequente, uma sensação ligada à angústia e ao horror, que experimentamos como algo ao mesmo tempo muito longe e muito perto de nós, muito estranho e muito familiar, muito inquietante e muito próximo. Para completar o volume, vários ensaios de renomados especialistas em psicanálise, literatura, estética e tradução comentam aspectos essenciais da obra: Christian Dunker, Ernani Chaves, Gilson Iannini, Guilherme Massara Rocha, Pedro Heliodoro Tavares e Romero Freitas.

Informações do autor:

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Mais publicações:

Introdução à Psicanálise: De Freud a Lacan

Começo aqui uma jornada de várias aulas de introdução a psicanálise Lacaniana, focada nos trabalhos e ideias do importantíssimo psicanalista Francês Jacques Lacan. Nessa primeira aula, vamos explorar os conceitos fundamentais da Psicanálise. Se você tem interesse em psicologia ou está curioso sobre as teorias de Jacques Lacan, assista o vídeo até o final. Vamos abordar temas como o inconsciente estruturado como uma linguagem, os três registros (Real, Simbólico e Imaginário), o Estádio do Espelho, o Nome-do-Pai, o desejo e o objeto a.

Continuar leitura...